segunda-feira, 15 de agosto de 2011

... mas eu gostava dele; dia mais dia eu gostava. Diga o senhor, como um feitiço? Era ele estar perto e nada me faltava, era ele estar longe e eu só nele pensava. E eu mesma não entendia. E eu mesma entender, não queria. Acho que era aquela meiguice desigual que ele sabia esconder mais e sempre. E em mim a vontade de chegar lado próximo, quase uma ânsia de sentir o cheiro dele, do corpo, dos braços...

Um comentário:

Alex Sandro De La Santa disse...

Mt bom! adorei!!! bjos carismaticos